5 Livros de Fiódor Dostoiévski para você conhecer

5 Livros de Fiódor Dostoiévski para você conhecer

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski, nascido em Moscou em 1821 é por muitos considerado um dos maiores pensadores e romancistas da história.

Considerado também o pai do realismo literário por retratar em suas obras tragédias humanas, questões relacionadas ao sofrimento, angústias da vida e a situação social das camadas mais pobres da sociedade da época. Do mesmo modo, sendo conhecido pelo seu aprofundamento psicológico e por expressar conflitos existenciais de seus personagens.

Dostoiévski teve uma vida difícil desde a sua infância até seus dias finais. Proveniente de uma família pobre, sua mãe era dona de casa e seu pai era médico - naquela época a profissão não tinha o grande prestígio dos tempos atuais -, enfrentou dificuldades financeiras por toda vida. Perdeu a mãe em 1837 vítima de tuberculose, decide mudar-se para St. Petersburgo para estudar engenharia e em 1839 tem seu pai morto, assassinado por seus criados.

Após formar-se, começa a trabalhar para a escola Militar e publica seu primeiro livro, Gente pobre (1846), que foi muito bem aceito pela crítica. Decide romper com o exército e dedicar-se apenas à literatura. Tem uma aproximação muito forte com ideias esquerdistas em uma Rússia controlada por Czares. É preso e condenado à morte sob acusação de conspiração para assassinato do Czar Nicolau I. No dia de sua execução tem a pena perdoada em troca de exílio e trabalho forçados na Sibéria, onde cumpre pena por 4 anos e passa mais 4 prestando serviços militares, experiência retratada na obra Recordações da casa dos mortos (1862).

Em seu período pós exílio na Sibéria, continua passando por dramas familiares, perde o irmão, a primeira mulher e ainda tem a falência de sua editoria declarada. Viaja para Europa Ocidental para fugir de credores e acaba se envolvendo e viciado em jogos de azar, decide voltar para Rússia onde vive até morrer em 1881 poucos anos depois de ter escrito o que para muitos é considerada a sua obra prima, Os irmãos Karamazov (1879).

Em seguida desse breve relato biográfico do autor, apresentamos aqui as 5 obras que consideramos como indispensáveis para sua estante. Leia e desfrute.

Os Irmãos Karamazov

Sinopse: Último romance de Dostoiévski, Os irmãos Karamázov representa uma síntese de toda sua produção e é tido por muitos como sua obra-prima. Um marco da literatura universal, influenciou pensadores como Nietzsche e Freud - que o considerava "o maior romance já escrito" - e sucessivas gerações de escritores em todo o mundo. No fundo, ele resume toda a criatividade do escritor, trazendo à baila as "malditas" questões existenciais que o afligiram a vida inteira, com especial relevo para o flagrante degradação moral da humanidade afastada dos ideiais cristãos. Cheia de peripécias , a narrativa põe em foco três protagonistas irmãos, representantes dos mais diversos aspectos da realidade russa - o libertino Dmitri, o niilista Ivan e o sublime Aliocha - , a fim de alumiar as profundezas insondáveis do coração entregue ao pecado, corrompido por dúvidas ou transbordante de amor.

Crime e Castigo

Sinopse: Publicado em 1866, Crime e castigo é a obra mais célebre de Fiódor Dostoiévski. Neste livro, Raskólnikov, um jovem estudante, pobre e desesperado, perambula pelas ruas de São Petersburgo até cometer um crime que tentará justificar por uma teoria: grandes homens, como César ou Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História. Este ato desencadeia uma narrativa labiríntica que arrasta o leitor por becos, tabernas e pequenos cômodos, povoados de personagens que lutam para preservar sua dignidade contra as várias formas da tirania. Crime e castigo é um daqueles romances universais que, concebidos no decorrer do romântico século XIX, abriram caminhos ao trágico realismo literário dos tempos modernos. Contando nele a soturna história de um assassino em busca de redenção e ressurreição espiritual, Dostoiévski chegou a explorar, como nenhum outro escritor de sua época, as mais diversas facetas da psicologia humana sujeita a abalos e distorções e, desse modo, criou uma obra de imenso valor artístico, merecidamente cultuada em todas as partes do mundo. O fascinante efeito que a leitura produz - angústia, revolta e compaixão renovadas a cada página com um desenlace aliviador - poderia ser comparado à catarse dos monumentais dramas gregos.

Noites brancas

Sinopse: Livro mais romântico da obra de Dostoiévski, Noites brancas traz como tema central o encontro entre uma jovem desiludida e um sonhador, aquele que narra os eventos ocorridos ao longo de poucas noites, durante um período muito especial do ano em São Petersburgo. O cenário é São Petersburgo, capital do Império Russo no século 19 e um dos temas preferidos de Dostoiévski. Cenário de suas grandes obras, a misteriosa cidade é palco de um fenômeno natural conhecido como "noites brancas", que ocorre quando, durante quatro dias no verão, a noite não escurece. E é justamente neste período do ano que um homem sonhador e solitário perambula pela capital. Entre devaneios, reflexões e até um diálogo ou outro com os prédios da cidade, conhece Nástienka, uma melancólica jovem de coração partido. A partir deste encontro, os personagens desenvolvem uma conexão arrebatadora, e o Sonhador tem uma sensação de que finalmente coisas incríveis podem acontecer em sua vida.

Recordações da casa dos mortos

Sinopse: Em 1849, Dostoiévski, então com 28 anos, foi preso e condenado à morte por sua participação no Círculo de Pietrachévski, um grupo de intelectuais críticos ao regime tsarista. Instantes antes do fuzilamento, sua pena foi comutada para quatro anos de trabalhos forçados no presídio de Omsk, seguidos de mais quatro anos servindo como soldado raso em Semipalátinsk. O período passado na Sibéria foi extremamente marcante para o escritor, que viu cair por terra sua imagem idealizada do povo russo, influenciada pelos socialistas utópicos, ao conviver com a dura realidade dos prisioneiros comuns vindos de todas as regiões da Rússia. O resultado dessa experiência-limite é este livro, Escritos da casa morta (também conhecido como Recordações da casa dos mortos), publicado entre 1860 e 1862, em que o autor, ao fazer um registro antropológico da vida e dos costumes dos presos, acaba por empreender um verdadeiro mergulho na psicologia do ser humano ― algo que servirá de matéria-prima para todos os seus romances de maturidade.

O Jogador

Sinopse: O jogador, é um primoroso romance cujo teor psicológico ultrapassa os estreitos limites do gênero recreativo. Baseado num profundo conhecimento das práticas e rotinas do cassino, ele evidencia a sinistra degradação de um jovem culto e talentoso que sacrifica o melhor de si à doentia paixão pelos jogos de azar, a qual lhe subjuga e destrói, aos poucos, a alma. O protagonista, em que se percebem diversos traços do próprio autor, vê toda a sua riqueza espiritual – dignidade, força de caráter e honra cavalheiresca – levada pela estonteante rotação da roleta. Mesmo o amor, a única fonte de alegrias e esperanças que ele possui, acaba sorvido por esse redemoinho... Os vícios humanos, sejam relacionados ao jogo, como no livro de Dostoiévski, ou às drogas, como em nossa realidade cotidiana, ainda estão longe de serem extirpados, tornando O jogador tão interessante para os leitores de hoje.

PS: Se ficou curioso, você pode conferir nossa resenha sobre o livro através do link.

Gostou do conteúdo deste post? Leia mais através dos links abaixo.